12 de novembro de 2016

A culpa é das estrelas!

15:12




Hoje é um daqueles dias que você se sente bem pra baixo.
E como todo bom deprimido, nós nunca queremos chutar o balde e dar a volta por cima, nós gostamos mesmo é de ver filmes tristes e ouvir músicas românticas.

Quando crianças, as pessoas insistem em nos perguntar o que seremos quando crescermos. Parece uma simples pergunta, não é mesmo? É só escolher algo dentre tantas as opções do universo, abrir a boca e falar. É isso mesmo, hoje em dia, adultos, percebemos que não é algo tão simples assim. Principalmente quando as coisas são mais difíceis do que imaginamos.
Parece um mar sem fim onde precisamos fazer escolhas a todo tempo. Como se tudo dependesse disso. É escolher a faculdade, o emprego, o namorado, o que vai fazer amanhã, no final de semana, no próximo ano... Que cansativo!
Por que não podemos simplesmente escolher viver?


E se eu escolher acordar tarde, comer um pouco de miojo, andar descalça, não pentear o cabelo, usar o pijama o dia inteiro, usar o Facebook, tirar fotos aleatórias, desenhar, escrever histórias, sonhar com aquele cara fofo que nunca pude amar?
Será que isso é loucura? Será que só eu sinto esse tipo de sentimento?

E se por outro lado, eu quiser estudar outra idioma, viajar para outro lado do mundo, falar de política, ser zen, planejar os próximos 50 anos que viverei? Será que isso é tudo loucura?

...
Será que viver é somente fazer faculdade, achar um emprego, casar, ter filhos e envelhecer?
...
E se eu não quiser trabalhar em um emprego chato, ou casar, ou ter filhos?
...
É demais querer fazer uma viagem pra longe, se apaixonar, acreditar em contos de fadas?
...
Eu queria apenas deitar no gramado e ficar olhando para as estrelas!

[...]

Refletir sobre o que já vivi é a única coisa que posso fazer neste momento, pois o que viverei somente a vida pode me contar!



30 de julho de 2016

Obrigada, Thank You, 감사합니다, 有難う

17:49


Essa semana, eu estava tomando banho e uma alegria tomou minha mente com o seguinte pensamento: "seja muito grata a Deus".
Eu comecei a refletir sobre como minha vida tem seguido.
Deus tem sido tão bom comigo, tem colocado pessoas muito boas em meu caminho. Talvez seja hora de acreditar que tudo vai mudar, porem sempre fica aquele sentimento de que serei derrotada novamente.
Muitas pessoas podem se perguntar "pq você se acha abençoada, nenhum sonho seu se tornou realidade?" ~ Sim, talvez eu tenha andado em círculos, tentando uma saída para os meus problemas mas lembro de uma vez ouvir um pastor falar "seus sonhos são os sonhos de Deus". Ele disse mais : "Sabe aquele sonho que voce tem toda noite ao colocar a cabeça no travesseiro, entao, eles são colocados no seu coração por Deus". E isso me fez pensar em como meu Deus realizará meus sonhos sem nem ao menos eu ter condições. Eu só preciso ser fiel a Ele! Talvez meus sonhos têm sido adiados porque eu nao fui uma menina muito presente.
Mas, mesmo com tantos pensamentos em minha cabeça, eu estou começando a acreditar que tudo dará certo.


10 de março de 2016

Reflexão

06:23


Faz um tempo que eu não posto aqui...
Mas quando algo fica entalado na garganta, precisamos colocar pra fora.
Para começar a história, há um tempo atrás questão de 13 anos, eu e minhas amigas decidimos escrever cartinhas umas para as outras. Eu tinha 12 anos de idade! Sim, na época eu me achava adulta, mas pensando bem hoje vejo que era uma criança.
Eu escrevi para uma das minhas 3 amigas que gostava muito dela e que considerava ela muito minha amiga. Em resposta recebi um silêncio, nem um abraço ou algo recíproco.
Com o passar do tempo, me vi em uma situação bem parecida.
Percebi que o sentimento de amizade que tenho por uma de minhas amigas não existe. Ela simplesmente não me inclui em nada de suas lembranças ou nem ao menos tem consideração por mim. Você deve estar se perguntando se eu sou chata! Posso responder que nos divertimos muito juntas mas não há o sentimento de reciprocidade. Ela é minha amiga mas considera outras pessoas como as MELHORES AMIGAS dela.
Isso é um pouco frustrante pois eu a considerava demais, talvez tanto que faria qualquer coisa para ajudá-la. Porém comecei a ver que no dia-a-dia ela não se importava comigo. Me passando muitas vezes pra trás. Alguns acham que amigos amigos negócios a parte, mas não no meu mundo.
Não consigo mais vê-la como amiga!
E agora descobri que em uma relação sempre há aquele que se doa mais.
Com o passar do tempo vi que não temos nada em comum e talvez não tivéssemos nada em comum desde o início.
Talvez eu tenha a incluído demais na minha vida, onde ela nunca quis estar.
Por isso hoje a deixo voar para onde desejas, e ao nos tornarmos colegas fazemos aquilo que colegas fazem - nos reunir ocasionalmente para rirmos de coisas aleatórias. E deixar de lado as conversas secretas, confissões, companheirismo, irmandade e cumplicidade de lado.